segunda-feira, julho 20, 2009

Dormir bem...






Medicina do sono



Por vezes a dificuldade em dormir é mais do que uma simples crise de stress. Para identificar e melhorar este tipo de problemas têm surgido centros médicos especializados. Pilar Rente, directora clínica da Clínica do Sono de Lisboa, diz quando os devemos procurar.

Quais os sinais de que não estamos a dormir bem?
Se frequentemente, ao levantar, tivermos a sensação de sono pouco reparador, é muito provável que exista alguma doença do sono. A presença de cansaço diário, de acordares frequentes durante a noite e de excessiva sonolência durante o dia também são sinais importantes.

Quais as consequências para a saúde?
Alterações do humor, dificuldade de concentração, diminuição da memória e do rendimento no trabalho e, em situações extremas, desencadear perturbações psiquiátricas, acidentes ou problemas no trabalho e na relação interpessoal.

Quais as patologias mais comuns?
A Síndrome da Apneia Obstrutiva do sono, que surge em cerca de 12 por cento da população adulta do sexo masculino, e as insónias, que são mais frequentes no sexo feminino.

Como podemos dormir melhor?
Para dormirmos bem é fundamental ter uma boa higiene do sono: manter horários regulares de deitar e acordar, evitar o trabalho por turnos, não comer em demasia ao jantar, evitar deitar-se com o nariz obstruído ou com a sensação de dificuldade respiratória, cortar o consumo de álcool, bebidas com cafeína e chás estimulantes.

Existe um ambiente ideal para dormir?
O ideal é dormir num quarto com temperatura agradável, sem ruído e com ventilação suficiente. Que terapias sem recurso a fármacos aconselha? Nas insónias crónicas poderá ser útil a psicoterapia, a prática do ioga e de técnicas de relaxamento.
In: Revista Máxima

Sem comentários:

Enviar um comentário