terça-feira, abril 29, 2008

One of my favourites



Jamie Cullum

"Everlasting Love"

domingo, abril 27, 2008

Desabafos

Fim-de-semana longo.... Trabalhoso, pouco tempo para dormir, muito calor, muita coisa para fazer e por fazer... UFA!
Boa semana.... Também espero que a minha assim o seja.

sábado, abril 26, 2008

quinta-feira, abril 24, 2008

O segredo dos punhais voadores - ****

The House of the Flying Daggers (Shi mian mai fu)
十面埋伏 (shí miàn mái fú)



Realização: Zhang Yimou
Intérpretes: Takeshi Kaneshiro, Andy Lau, Zhang Ziyi, Dandan Song
China / Hong Kong,
2004






859 AD. Final da Dinastia Tang. Os polícias Jin (Kaneshiro) e Leo (Lau) montam um plano para capturar a líder do cada vez mais poderoso grupo de resistência Casa dos Punhais Voadores. Obtêm a informação de que uma das trabalhadoras de um “centro de ócio”, dirigido pela Madame Yee (Song), faz parte do grupo. A suspeita recai sobre Mei (Ziyi), uma bela dançarina cega, de sentidos apurados e excepcionais capacidades marciais. Jin faz-se passar por um cliente e depois de a salvar da prisão, inicia todos os esforços para ganhar a sua confiança, e assim conseguir o seu propósito. Mas durante a fuga, e apesar dos avisos de Leo, os sentimentos de Jin começam a ir para além do dever. Ou talvez não.





“O Segredo dos Punhais Voadores” é um drama sentimental quase-Shakespeariano que, a cada momento, nos surpreende com uma nova forma de ver os personagens, entre jogos de traições cujos véus se vão levantando com o ritmo certo. A acompanhar os violentos sentimentos de amor e ódio, as cenas de acção são também elas carregadas de coreografias artisticamente irrepreensíveis.

A comparação com “Herói” (2002), o anterior filme de Yimou, é inevitável, mas enquanto o primeiro se baseava essencialmente na estilização para contar a história, este recai bastante mais nos personagens para construir o enredo e os momentos de tensão. Mais do que no anterior, as emoções e as acções são levadas ao extremo, em nome da política e em nome do amor.
O elemento comum reside, sobretudo, no aspecto visual do filme, cujo design de produção e guarda-roupa estiveram a cargo da mesma equipa de “Herói”, Huo Tingxiao e Emi Wada, respectivamente. A fotografia de Christopher Doyle foi substituída, sem qualquer perda de qualidade, pela de Zhao Xiaoding. Adicionando os soberbos efeitos especiais, fica completo este banquete cinematográfico, cheio de belíssimas imagens, de cores intensas e cenários impressionantes.

A falha deste filme, que arrecada a quinta estrela, prende-se com o não cumprimento da sua premissa inicial, ou seja, o confronto das forças governamentais com os dissidentes. Yimou preferiu claramente concentrar-se no conflito amoroso, deixando no ar o desfecho geral. Mais uma vez, a realidade global acaba apenas por ser o cenário dos dramas particulares.




OPINIÃO:

Confesso que sou fã de filmes como: Herói, O Tigre e o Dragão, Memórias de uma Gueisha e agora este O Segredo dos Punhais Voadores. Não fui ver ao cinema, mas assim que tive oportunidade comprei o DVD e simplesmente fiquei deliciada com as sequências de imagens de acção e dos sentinentos expressos nas imagens e nos silêncios.

Só tem uma lacuna: o filme dá muito ênfase à história sentimental do enredo e no final do filme ficamos sem saber como se deu o desfecho entre as forças governamentais e os rebeldes... Pena, senão o filme seria perfeito.


Trailer:







Fontes:

http://cinerama.blogs.sapo.pt/

http://www.google.com/

http://www.youtube.com/


Frase do dia

O segredo é não correr atrás das borboletas. É cuidar do jardim para que elas venham até você.


(Mário Quintana)
OPINIÃO:
Adoro este poeta brasileiro! :)

David Fonseca feat Rita Redshoes

Cá fica a devida homenagem também ao David. O videoclip está fenomenal... Nem parece português! Parabéns.


Sugestão: Rita Redshoes

Assim que a ouvi adorei. Já fez dueto com David Fonseca.
A minha preferida, é quase viciante: Hey Tom.






E outra muito especial: Dream on girl.

terça-feira, abril 22, 2008

Dia Mundial do Planeta Terra



Curiosidade:



A 21 de Março de 1970 proclamava-se, na cidade norte-americana de São Francisco, o Dia Mundial da Terra. A celebração mudou de data - 22 de Abril -, 34 anos volvidos, o dia continua a ser comemorado em todo o Mundo, em nome da reverência e da protecção da Natureza. Portugal também assinalou o dia, dedicando-o, este ano, à Geologia.O evento marca o início do Dia da Terra, tradicionalmente observado com o toque de sinos. A data foi criada para relembrar a população mundial da sua responsabilidade na protecção do planeta.



A ideia foi planeada pelo norte-americano John McConnell, que a apresentou em 1969, na conferência da UNESCO sobre o Ambiente. O primeiro Dia Mundial da Terra foi celebrado a 21 de Março (o primeiro dia de Primavera), face ao interesse de McConnell na exploração espacial e no Equinócio de Março - considerado o dia do "equilíbrio global".







Fontes:

http://tapanacara.com.br/blog/

http://moodle.apvm.net/

Para quem tiver curiosidade:
www.nasa.gov


sábado, abril 19, 2008

segunda-feira, abril 14, 2008

Sem tempo para nada!!!

Desde que cheguei de férias, nem tempo tive para me aperceber muito bem da situação em que me encontro agora... O que tem as suas vantagens.
Namorar por telefone não é bem a mesma coisa, principalmente quando a conta ao fim do mês não é lá muito jeitosa.... hehe E a qualidade das ligações deixa muito a desejar.
Mas se pensar bem, até é por uma boa razão. ;)
Uma montanha de trabalho aguardava-me após umas férias bem descansadas... Prazos, stress, ansiedade, noites muito mal dormidas, dias longos demais, enfim!
Por isto peço desculpa por não poder actualizar tanto quanto gostaria o meu cantinho de opiniões e afins...
A actualizar brevemente. (assim espero!)

sábado, abril 05, 2008

sexta-feira, abril 04, 2008

Life is now...

Sinto-me viva e nem sei bem porquê...
Sofrida, da Vida.
Sofrida não, madura.
Mas não amargurada.
Com saudades...
Da Vida, do Amor.
Do meu Amor.

Não fiquei ressentida ou com rancor de nada, nem ninguém.
Hoje sinto-me mais livre do que alguma vez tive.
Pura. Vivida. E rica de espírito. Preenchida.

A tudo se sobrevive, menos à Morte.
A Vida dá-nos um certo ímpeto para agarrarmos a Felicidade com as duas mãos.
Aprendi com os erros da Vida.
Amadureci cedo e tive que crescer precocemente.
Ultrapassar obstáculos.
Levantar do chão de cabeça erguida.
Arrependida? Não.
Cada coisa a seu tempo e cada um com o seu próprio tempo.
A Vida assim o quis.

Hoje sei que a Felicidade somos nós que a construimos.
O caminho certo, somos nós que o escolhemos.
O destino, nós o fazemos.
A Vida, essa agarramos com toda a garra.
E o Presente, vivemos apenas.

Cláudia Freitas


PS: Dedico isto ao meu priminho João Eduardo e à Dani, que me relembraram que nunca mais tinha escrito nada... :)
Espero que gostem................



Para quem ainda não percebeu:
Sim, fui eu que escrevi tudo!
Num daqueles momentos de introspecção, improviso e inspiração.
Para quem não conhecia esta minha faceta, cá fica uma pequena amostra... hehehehe