segunda-feira, dezembro 12, 2005

Lições de vida

Um dia um bom amigo fez-me entender que não é pelo facto de um homem sentir um amor arrebatador por uma mulher, para ser o melhor para ela.
Pode ser realmente um amor grandioso, mas ter uns ciúmes doentios e, isso é o suficiente para nos prejudicar e fazer-nos infelizes...

Muitas vezes não nos contentamos com o pouco que temos... queremos sempre o que não temos e, muito provavelmente, será isso que nos leva à desilusão e à infelicidade. Regra geral, esquecemo-nos de valorizar essas poucas coisas que temos na nossa vida... Por isso digo muitas vezes que existem muitas pessoas que são felizes e nem se apercebem, porque não valorizam o que têm...
O dinheiro não é tudo. Esta é uma das melhores lições de vida. Todos nós conhecemos muito boa gente que tem dinheiro, uma boa casa e um bom emprego. Mas de que serve ter tudo isto se as pessoas são ocas por dentro, sem sentimentos puros? São más...
De que é que serve ter tudo e, no fundo, não ter nada? De que serve termos bens materiais se não somos felizes?
Para se chegar à felicidade é necessário passar por algum sofrimento, lutar pelo que queremos, mas sem passarmos por cima dos outros para atingirmos os nossos objectivos.
E, eu, acredito que a felicidade encontra-se nas pequenas coisas da vida... Nos pequenos gestos... Quantas vezes discutimos por coisas insignificantes? Quantas vezes damos importância a coisas que até nem são pertinentes?
Toda a gente tem a sua própria maneira de mostrar o que sente, é muito “sui generis”... Ás vezes não se torna imperativo dizer que gostamos uns dos outros, embora seja necessário, saiba muito bem e faça bem ao nosso ego. É possível demonstrar os nossos sentimentos e emoções com gestos, actos, olhares e palavras. Já há muito que oiço dizer que: “Um gesto vale por mil palavras”... E todos nós, concerteza, já vivemos demonstrações de carinho e amor e, sabemos bem o que isto é.
Frequentemente, ansiamos por palavras que, muitas vezes, são desconhecidas dos nossos companheiros ou, não tão importantes para eles (homens) como o são para nós (mulheres)... Outras vezes as pessoas são tão secas de sentimentos que não são capazes de dar o que quer que seja a ninguém; não sabem amar e enclausuram-se dentro de si mesmos...
Não é necessário dizerem-nos que amam-nos para sabermos que isso é verdade... Contudo, isso é, muitas vezes, esquecido. Poderíamos estar mais atentos a estas pequenas coisas, não? Só saíamos a ganhar... No entanto, relembrarem-nos que somos amados só nos faz bem, põe-nos com um sorriso na cara.
Ás vezes só complicamos o que é, na realidade, simples... E, só ficamos a perder com isso; nós é que ficamos no prejuízo... Fruto da nossa teimosia, talvez, ou por pura ignorância, se é que assim se pode chamar... Muitas vezes não queremos ver que erramos.
Todavia, se os conselhos fossem infalíveis, não andávamos aí a apregoá-los em alta voz.... Se fossem tão bons vendiam-se! O que quero dizer é que, muitas vezes, dedicamos muito tempo a tentar perceber as coisas, em vez de vivê-las. Devíamos dedicar mais tempo para nós, em vez de pensarmos tanto nos outros. Não devíamos viver tanto em função dos outros, quando devíamos estar a pensar em nós, somente...
Precisamos de nos sentir amados, mas quantos de nós esquecemos de nos amarmos primeiro de tudo? As coisas más acontecem a todos, mas não é por essa razão que nos vamos tornar rancorosos. Não podemos culpar o destino, quando somos nós que o construímos com as nossas decisões e caminhos que tomamos. É bom guardarmos os momentos bons, porque fazem-nos sentir bem, mas também não nos devemos esquecer dos maus momentos, pois são com esses que mais aprendemos verdadeiras lições de vida, as quais não esquecemos tão cedo, por serem marcantes... Das coisas más da vida é possível tirar sempre coisas positivas...
É bom não nos esquecermos de nós, do que nos rodeia, nem das coisas que mais nos dão prazer...
Eu... Eu voltei a escrever! E, escrever é o suficiente para traduzir o que me vai na alma... Sem compromissos.

Sem comentários:

Enviar um comentário